IMPACTO DA TROCA DE AUDITORES NOS HONORÁRIOS DE AUDITORIA

José Alves Dantas, Alexsandra Cristina Almeida Ramos

Resumo


O estudo teve como objetivo avaliar se e de que forma a remuneração dos auditores seria afetada pela troca das firmas de auditoria, incluindo a especificação dos casos em que a substituição se dá em função da imposição do rodízio ou voluntariamente. Utilizando dados de 338 companhias não financeiras, de 2009 a 2016, foram estimados modelos de dados em painel, usando, alternadamente, três variáveis de interesse – as trocas de auditoria, de forma geral, as trocas decorrentes do rodízio obrigatório e as trocas voluntárias. Os resultados demonstraram que a remuneração dos auditores é negativamente associada à troca de auditoria, de forma geral, e às trocas voluntárias. Quando considerados apenas os eventos de troca obrigatória, a relação, apesar de negativa, não é relevante. Em resumo, as companhias que realizam a troca de auditoria voluntariamente tendem a reduzir os honorários, mas não é possível se afirmar o mesmo quando a troca decorre de exigências regulatórias. Essas evidências de low balling no mercado brasileiro de auditoria remetem a preocupações quanto a eventuais consequências na qualidade dos trabalhos desenvolvidos, tendo em vista que a redução da remuneração pode resultar na aplicação de menores esforços na realização dos trabalhos, por parte dos auditores, de forma a manter a margem de rentabilidade.

Palavras-chave


Auditoria. Remuneração. Rodízio. Troca de Auditores.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUNÇÃO, J.; CARRASCO, V. Avaliação da Rotatividade dos Auditores Independentes. Rio de Janeiro: Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

BAZERMAN, M. H. Processo decisório. 5 ed. São Paulo: Campus, 2004.

BESACIER, N. G.; HOTTEGINDRE, G.; FINE-FALCY, S. The impact of recente regulatory changes on perceived audit quality as viewed by French auditors. European Accounting Association, 34rd Annual Meeting, Rome, Italy, 19-22 April, 2011.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução nº 308, de 1999. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst308.html. Acesso em: 15 set. 2017.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução nº 509, de 2011. Acrescenta artigos à Instrução CVM nº 308, de 14 de maio de 1999. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst509.html . Acesso em 15 set. 2017.

CARCELLO, J. V.; HERMANSON, D. R.; NEAL, T. L.; RILEY JR., R. A. Board Characteristics and Audit Fees. Contemporary Accounting Research, v. 19, n. 3, p. 365–384, 2002.

CASTRO, W. B. L.; PELEIAS, I. R.; SILVA, G. P. Determinantes dos Honorários de Auditoria: um Estudo nas Empresas Listadas na BM&FBOVESPA, Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 26, n. 69, p. 261-273, set./dez 2015.

COELHO, I. S. O rodízio obrigatório de firmas de auditoria representa a melhor alternativa para aumentar a independência do auditor e o ceticismo profissional? Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon). 2013a. Disponível em: http://www.ibracon.com.br/ibracon/Portugues/detSalaImprensaRelease.php?cod=1542. Acesso em: 08 ag. 2017.

COELHO, I. S. Rodízio de Auditoria contribui para a saúde das empresas? Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon). 2013b. Disponível em: http://www.ibracon.com.br/ibracon/Portugues/detNoticia.php?cod=3413. Acesso em: 08 ag. 2017.

COFFEE JR., J. C. What caused Enron?: A capsule social and economic history of the 1990’s. Cornell Law Review, v. 89, n. 2, p. 269-309, 2004.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Normas Brasileiras de Contabilidade. NBC TA 200 – Objetivos Gerais do Auditor Independente e a Condução da Auditoria em Conformidade com Normas de Auditoria. 2009.

CUNHA, P. R.; BRIGHENTI, J.; DEGENHART, L. Fatores que influenciam os honorários de auditoria: análise das empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Pensar Contábil, v. 18, n. 65, p. 16-27, jan./abr. 2016.

CUPERTINO, C. M. Earnings management: estudo de caso do Banco Nacional. Revista Contabilidade & Finanças, v. 17, n. 41, p.110-120, 2006.

DANTAS, J. A.; CARVALHO, P. R. M.; COUTO, B. A.; SILVA, T. N. Determinantes da Remuneração dos Auditores Independentes no Mercado de Capitais Brasileiro. Revista Universo Contábil, Blumenau, v.12, n.4, p. 68-85, out./dez 2016.

DANTAS, J. A.; MEDEIROS, O. R. Determinantes de Qualidade de Auditoria Independente em Bancos. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 26, n. 67, p.43-56, jan./abr. 2015.

DAO, M.; MISHRA, S.; RAGHUNANDAN, K. Auditor tenure and shareholder ratification of the auditor. Accounting Horizons, v. 22, n. 3, p. 297-314, 2008.

DEMSKI, J. S. Endogenous expectations. The Accounting Review, v. 79, n. 2, p. 519-539, 2004.

EBRAHIM, A. Auditing quality, auditor tenure, client importance, and earnings management: an additional evidence. ICFAI Journal of Audit Practice, v. 1, n. 4, 2004.

ETTREDGE, M.; FUERHERM, E. E.; LI, C. Fee pressure and audit quality. Accounting, Organizations and Society, 39, 247–263, 2014.

FORMIGONI, H.; ANTUNES, M. T. P.; LEITE, R. S.; PAULO, E. A contribuição do rodízio de auditoria para a independência e qualidade dos serviços prestados: um estudo exploratório baseado na percepção de gestores de companhias abertas brasileiras. Revista Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, v. 19, n. 3, p.149-167, jul./set. 2008.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOTTI, G.; HAN, S.; HIGGS, J.; KANG, T. Managerial ownership, corporate monitoring and audit fee. SSRN Working Paper, 2011.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. 4 ed. São Paulo: Campus, 2006.

GUPTA, P. P.; KRISHNAN, G. V.; YU, W. Do Auditors Allow Earnings Management When Audit Fee Are Low? SSRN Working Paper, 2012.

HALLAK, R. T. P.; SILVA, A. L. C. Determinantes das despesas com serviços de auditoria e consultoria prestados pelo auditor independente no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 23, n. 60, p. 223-231, 2012.

HOGAN, C. E.; WILKINS, M. S. Evidence on the Audit Risk Model: Do Auditors Increase Audit Fees in the Presence of Internal Control Deficiencies? Contemporary Accounting Research, v. 25, n. 1, p. 219-242, 2008.

JOHNSON, W. B.; LYS, T. The market for audit services: Evidence from voluntary auditor changes. Journal of Accounting and Economics, v. 12, n. 1-3, p. 281–308, 1990.

KÖHLER, A. G.; RATZINGER-SAKEL, N. Audit and non-audit fees in Germany – the impact of audit market characteristic. Schmalenbach Business Review, v. 64, n. 4, p. 281-307, 2012.

LYS, T.; WATTS, R. L. (1994). Lawsuits against auditors. Journal of Accounting Research, v. 32 (Supplement), p. 65-93, 1994.

MATOS, T. M. P.; MARTINS, A. M.; MACEDO, M. A. S. Análise do Impacto do Rodízio Obrigatório de Auditores nos Honorários pagos por Companhias Abertas no Brasil. XVI Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, jul. 2016

MEDEIROS, E. (2005). A Atividade de Auditoria Independente: Um Breve Estudo sobre a Independência dos Auditores e as Normas Profissionais Aplicáveis. Universidade Federal do Rio de Janeiro, mai. 2015

MORAES, A. J.; MARTINEZ, A. L. Associação entre a Remuneração de Auditores Independentes e o Q de Tobin. XIV Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, jul. 2014a.

MORAES, A. J.; MARTINEZ, A. L. Remuneração de Auditores e a Qualidade da Auditoria no Brasil. XXXVIII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, set. 2014b.

MUNHOZ, T. R.; MURRO, E. V. B.; TEIXEIRA, G. B.; LOURENÇO, I. O Impacto da Adoção Obrigatória das IFRS nos Honorários de Auditoria em Empresas da Bovespa. XIV Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, jul. 2014.

NAGY, A. L. Mandatory audit firm turnover, financial reporting quality, and client bargaining power: the case of Arthur Andersen. Accounting Horizons, v. 19, n. 2, p.51-69, Jun. 2005.

NEWMAN, D. P.; PATTERSON, E. R.; SMITH, J. R. The role of auditing in investor protection. The Accounting Review, v. 80, n. 1, p. 289-313, 2005.

NIYAMA, J. K.; COSTA, F. M.; DANTAS, J. A.; BORGES, E. F. Evolução da Regulação da Auditoria Independente no Brasil: Análise Crítica, a partir da Teoria da Regulação. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 4, p. 127-161, 2011.

OLIVEIRA, A. Q.; SANTOS, N. M. B. F. Rodízio de Firmas de Auditoria: A Experiência Brasileira e as Conclusões do Mercado. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 18, n. 45, p.91-100, set./dez. 2007.

OLIVEIRA, J. B.; ARAÚJO, J. G.; ARAÚJO, D. J. C.; LAGIOIA, U. C. T. A Independência dos Auditores Independentes: Um Estudo da Percepção dos Auditores sobre as Situações que influenciam a sua perda. Revista Universo Contábil, v. 10, n. 4, p. 86-105, out./dez. 2014.

QUEVEDO, M. C.; PINTO, L. J. S. Percepção do Rodízio de Auditoria sob o Olhar dos Auditores Independentes. Revista Catarinense da Ciência Contábil, v.13, n. 38, p. 9-22, jan./abr. 2014.

ROCHA JR., F. R.; SOBRINHO, W. B.; BORTOLON, P. M. Fatores determinantes da mudança voluntária da empresa de auditoria externa no mercado brasileiro. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 35, n. 3, p. 53-67, 2016.

SANTOS, A.; GRATERON, I. R. G. Contabilidade Criativa e Responsabilidade dos Auditores. Revista Contabilidade & Finanças, v. 2, n. 32, p. 07 – 22, mai./ago. 2003.

SILVEIRA, E. D. Remuneração Anormal do Auditor e a Prática de Gerenciamento de Resultados. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de Brasília, 2017.

TORRES, F., NIERO, N., SELMI, P. Troca obrigatória deve pressionar honorários. Valor Econômico, p. B02, 08 nov, 2016.

YATIM, P.; KENT, P.; CLARKSON, P. Governance structures, ethnicity, and audit fees of Malaysian listed firms. Managerial Auditing Journal, v. 21, n. 7, p. 757–782, 2006.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2019.v6ed27592

Apontamentos

  • Não há apontamentos.