A CRIANÇA COM TRANSTORNO OPOSITIVO DESAFIADOR NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: PRESSUPOSTOS INCLUSIVOS

Fabiana Zanol Araújo, Michell Pedruzzi Mendes Araújo

Resumo


O Transtorno Opositivo Desafiador é caracterizado por comportamentos de negação, desafiadores, desobedientes e hostis para com figuras de autoridade. Em geral, as crianças começam a apresentar as características no início da infância, época em que esses comportamentos são esperados. Por isso, há a necessidade de se avaliar em que situações esses comportamentos ocorrem, a intensidade e prejuízo que geram a fim de distinguir esse transtorno dos desafios normais da idade. Tendo em vista a complexidade do transtorno supracitado e a presença de um aluno com o mesmo em uma escola de ensino comum do município de Vitória-ES, na qual trabalhamos, resolvemos fazer este estudo que tem como objetivo central trazer à tona o processo de inclusão do indivíduo com esse transtorno nas aulas de educação física. Para atingir o objetivo exposto, recorremos à metodologia pesquisa-ação porque essa metodologia se constitui como um instrumento importante para colocar em colaboração o praticante e o pesquisador na implementação de ações didádico-pedagógicas. Para a produção de dados, utilizamos a observação participante e, para a interpretação deles, recorremos aos pressupostos da perspectiva sócio-histórica de Vigotski e de seus colaboradores. Como resultados desse trabalho, ressaltamos a necessidade de propostas metodológicas para o trabalho pedagógico com a criança com esse transtorno, onde cada criança é singular. Por isso, nós professores devemos observar quais atividades a criança aprecia realizar dentro do contexto escolar, assim, o contexto social e cultural do sujeito será valorizado e as características biológicas serão deixadas em segundo plano.

PALAVRAS-CHAVE: Inclusão. Transtorno Opositivo Desafiador. Educação Física.

   GMT Detectar idiomaAfricânerAlbanêsAlemãoAmáricoArabeArmênioAzerbaijanoBascoBengaliBielo-russoBirmanêsBósnioBúlgaroCanarêsCatalãoCazaqueCebuanoChicheuaChinês simpChinês tradChonaCingalêsCoreanoCorsoCrioulo haitianoCroataCurdoDinamarquêsEslovacoEslovenoEspanholEsperantoEstonianoFilipinoFinlandêsFrancêsFrísioGaélico escocêsGalegoGalêsGeorgianoGregoGuzerateHauçaHavaianoHebraicoHindiHmongHolandêsHúngaroIgboIídicheIndonésioInglêsIorubaIrlandêsIslandêsItalianoJaponêsJavanêsKhmerLaosianoLatimLetãoLituanoLuxemburguêsMacedônicoMalaialaMalaioMalgaxeMaltêsMaoriMarataMongolNepalêsNorueguêsPachtoPersaPolonêsPortuguêsPunjabiQuirguizRomenoRussoSamoanoSérvioSessotoSindiSomaliSuaíleSuecoSundanêsTadjiqueTailandêsTâmilTchecoTelugoTurcoUcranianoUrduUzbequeVietnamitaXhosaZulu AfricânerAlbanêsAlemãoAmáricoArabeArmênioAzerbaijanoBascoBengaliBielo-russoBirmanêsBósnioBúlgaroCanarêsCatalãoCazaqueCebuanoChicheuaChinês simpChinês tradChonaCingalêsCoreanoCorsoCrioulo haitianoCroataCurdoDinamarquêsEslovacoEslovenoEspanholEsperantoEstonianoFilipinoFinlandêsFrancêsFrísioGaélico escocêsGalegoGalêsGeorgianoGregoGuzerateHauçaHavaianoHebraicoHindiHmongHolandêsHúngaroIgboIídicheIndonésioInglêsIorubaIrlandêsIslandêsItalianoJaponêsJavanêsKhmerLaosianoLatimLetãoLituanoLuxemburguêsMacedônicoMalaialaMalaioMalgaxeMaltêsMaoriMarataMongolNepalêsNorueguêsPachtoPersaPolonêsPortuguêsPunjabiQuirguizRomenoRussoSamoanoSérvioSessotoSindiSomaliSuaíleSuecoSundanêsTadjiqueTailandêsTâmilTchecoTelugoTurcoUcranianoUrduUzbequeVietnamitaXhosaZulu        A função de fala é limitada a 200 caracteres  Opções : Histórico : Comentários : DonateEncerrar

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26694/les.v1i37.7583

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Linguagens, Educação e Sociedade



BASES E INDEXADORES
 
 
       
 
 
   
 
 
       
 
 
     
 
 
 
Licença Creative Commons