GRI: A PERCEPÇÃO DE RELEVÂNCIA POR ONGs FLUMINENSES

Vinicius Fasuolo Trancoso, José Ricardo Maia de Siqueira, Monica Zaidan Gomes, Isabel Cabral

Resumo


É percebida uma preocupação crescente do homem com a forma de interação das empresas com o meio ambiente em que atuam. Têm sido divulgadas informações que justificam essa preocupação, dentre elas destacam-se o aquecimento global, a emissão de gases causadores de efeito estufa e a utilização dos recursos hídricos disponíveis. Reconhecendo a demanda de informações sobre como as companhias lidam com essas questões, a ONG Global Reporting Initiative (GRI) vem disponibilizando diretrizes para a elaboração dos relatórios de sustentabilidade. O objetivo deste trabalho é avaliar o nível de importância atribuído por Organizações Não Governamentais do Estado do Rio de Janeiro aos indicadores ambientais essenciais do relatório de sustentabilidade proposto pela Global Reporting Initiative (GRI). Os achados dessa pesquisa apontam significativa relevância atribuída pelos respondentes aos indicadores ambientais essenciais propostos pelo modelo GRI.


Palavras-chave


Sustentabilidade; GRI; Organizações Não Governamentais

Texto completo:

PDF

Referências


ABES. História da ABES. Disponível em: http://abes-dn.org.br/?page_id=730. Acesso em:14 set. 2018.

ALENCAR, Emanuel. Poluição: pescadores à espera de indenização. O Globo – Rio, 25 de novembro de 2012. Disponível em: https://oglobo.globo.com/rio/poluicao-pescadores-espera-de-indenizacao-6823517. Acesso em: 30 nov. 2012.

BEUREN, Ilse Maria et al. Adequação da evidenciação social das empresas de capital aberto no relatório da administração e notas explicativas às recomendações da NBC T 15. Revista de Contabilidade e Organizações. São Paulo. v.4, n.8, p.47-68, jan-abr 2010.

BROWN, Jackum et al. 501 Desastres Mais Devastadores de Todos os Tempos. São Paulo: Lafonte, 2012.

CAPINA. Apresentação. Disponível em: http://www.capina.org.br/#!apresentacao/c1vz2. Acesso em: 21 jul. 2014.

CAVALCANTI, Clóvis. Uma tentativa de caracterização da economia ecológica. Ambiente & Sociedade, v. 7, n. 1, p. 149-156, 2004.

CENTRO DE VIDA INDEPENDENTE DO RIO DE JANEIRO. O CVI-Rio. Disponível em: http://www.cvi-rio.org.br/site/cvirio/. Acesso em: 14 set. 2018.

COINTREAU, Sandra. Ocupational and Environmental health issues of solid waste management: Special Emphasis on Middle- and Lower-Income Countries. Urban Papers 2. World Bank, Washington, DC. 2006. Disponível em: http://wiego.org/sites/wiego.org/files/publications/files/Cointreau-

Urban_Paper_Health_Solid_Waster_Mgt.pdf. Acesso em: 14 set. 2018.

EKINO, Shigeo et al. Minamata Disease Revisited: An Update on the Acute and Chronic

Infestations of Methyl Mercury Poisoning. Journal of Neurological Science. v. 262, n. 1, p.131-144, dec. 2007.

FERNANDES, Sheila Mendes. Fatores que influenciam o disclosure ambiental: um estudo nas empresas brasileiras no período de 2006 a 2010. Revista Ambiente Contábil. Natal, v.5, n.2, p.250-267, jul./dez. 2013.

FIPECAFI. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações: Aplicável às Demais Sociedades. São Paulo: Atlas, 2006.

FLORESCER. Sociedade de Amigos para Reflorestamento. Disponível em:

www.ongflorescer.org.br. Acesso em: 14 set. 2018.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 1989.

GILL, Duane A.; PICOU, J. Steven; RITCHIE, Liesel A. The Exxon Valdez and BP Oil Spills: A Comparison of Initial Social and Psychological Impacts. American Behavioral Scientist, v.56, n.1, p.3-23, 2011.

GRI - GLOBAL REPORTING INITIATIVE. Conjunto de Protocolos de indicadores EN. v. 3, 2006a. Disponível em: http://www.globalreporting.org. Acesso em: 18 jun. 2013.

GRI - GLOBAL REPORTING INITIATIVE. Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade – Versão 3.0, 2006b. Disponível em: https://www.globalreporting.org/resource library/Brazil-Portuguese-G3-Reporting-Guidelines.pdf. Acesso em: out. 2013.

GRI - GLOBAL REPORTING INITIATIVE. GRI’s history. Disponível em https://www.globalreporting.org/information/about-gri/gri-history/Pages/GRI%27s%20history.aspx. Acesso em: 14 set. 2018.

GRUPO DE DEFESA ECOLÓGICA PEQUENA SEMENTE. Projeto “Que lixo é esse? – Gerenciamento de resíduos”. Disponível em: https://www.portaldosana.com.br/_arquivos/Sanapa/PROJETO%20GERENCIAMENTO%20DE%20RESIDUOS.pdf . Acesso em: 04 mar. 2019.

INSTITUTO BAÍA DE GUANABARA. Quem somos. Disponível em: http://www.baiadeguanabara.org.br/loja/index.php?route=information/information&information_id=4. Acesso em: 14 set. 2018.

LEITE, Paulo Roberto. Canais de distribuição reversos: fatores de influência sobre as

quantidades recicladas de materiais. In: Simpósio de Administração da Produção,

Logística e Operações Internacionais, 3, 2000. Anais… São Paulo: FGV, 2000.

MATSUYAMA, Akito et al. Mercury Speciation in the Water of Minamata Bay, Japan. SpringerScience-Bussiness Media B.V. 2010. Disponível em:

http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11270-010-0654-z. Acesso em: 16 set. 2013.

MICKLIN, Philip Patrick. The Aral Sea Disaster. Annual Review of Earth and Planetary Sciences. v.35 p.47-72 2007. Disponível em: www.annualreviews.org. Acesso em: 29 set. 2007.

MIRANDA, Fábio et al. Acidente radioativo de Goiânia:" o tempo cura todos os males"?.

Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 57, n. 1, p. 59-87, 2005.

PARIS, Patrícia Krauss Serrano. Um estudo de percepções de ONGs ambientalistas capixabas acerca da relevância e indicadores ambientais da GRI (Global Reporting Initiative). Vitória, 2012. 148f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis)). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

REIS, Luciano Gomes dos; NOGUEIRA, Daniel Ramos; TARIFA, Marcelo Resquetti. Uma análise histórica das publicações existentes sobre o tema Contabilidade Ambiental. Revista de Estudos Contábeis, Londrina, v.2, n.3, p.90-97, jul/dez 2011.

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS. História do acidente radioativo de Goiânia. Disponível em: http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq_254_historiadoacident.pdf. Acesso em: 14 set. 2018.

SYLVES, Richard T.; COMFORT, Louise K. The Exxon Valdez and BP Deepwater Horizon Oil Spills. American Behavioral Scientist. v. 56, n. 1, p. 76-103, 2012.

VIGNEAU, Jean-Pierre. Poluição Atmosférica. In: VEYRET, Yvette (Org.). Dicionário do Meio Ambiente. São Paulo: SENAC, 2012.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2019.v6ed29169

Apontamentos

  • Não há apontamentos.