PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS: DESAFIOS E BENEFÍCIOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA DA AGÊNCIA

Paulo Henrique Amaral Rody, Nilmara Oliveira da Luz, Luiz Claudio Louzada

Resumo


A teoria da agência prevê que as empresas ao oferecerem incentivos financeiros aos funcionários, tendem a alcançar o alinhamento de interesses entre principal e agente. Dentro desse contexto, objetivou-se neste artigo verificar os desafios e benefícios de um programa de participação nos lucros e resultados de uma Siderúrgica localizada no Estado do Espírito Santo. Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagem qualitativa dos dados. Estes que foram coletados por meio de pesquisa de campo e estudo de caso, realizados em uma Siderúrgica situada no Estado do Espírito Santo, por meio de pesquisa documental do Plano de Participação nos Lucros e Resultados (PPLR) e de entrevista semiestruturada com a Analista de Remuneração dessa Siderúrgica. Os resultados sugerem que as metas que compõem o PPLR devem ser claras e objetivas, no sentido de serem compreensíveis e alcançáveis pelos empregados da empresa; e que a distribuição dos recursos gerados pela unidade empresarial entre seus funcionários exerce influência de alguma forma no desempenho desses funcionários, fazendo com que eles trabalhem de forma mais eficiente, tornando possível alinhar os interesses entre principal e agente. Entende-se que este artigo contribuiu para a ampliação do entendimento do fenômeno estudado, ao levantar informações sobre adoção de um PPLR, evidenciando os desafios, benefícios, estrutura e principais características; e ao confirmar a premissa levantada pela teoria da agência de que, a concessão de incentivos ou gratificações a funcionários de uma organização, permite que uma empresa consiga alinhar os interesses entre principal e agente.


Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, A. C. B. de; CARDOSO, R. L.; MÁRIO, P. do C. Contabilidade gerencial: mensuração, monitoramento e incentivos. São Paulo: Atlas, 2007.

BAEK, J.-S.; KANG, J.-K.; PARK, K. S. Corporate governance and firm value: evidence form the Korean financial crisis. Journal of Financial Economics, v. 71, p. 265-313, feb. 2004.

BAILEY, C. D.; BROWN, L. D.; COCCO, A. F. The effects of monetary incentives on worker learning and performance in an assembly task. Journal of Management Accounting Research, n. 10, p. 119-131, 1998.

BAKER, G. P.; JENSEN, M.C.; MURPHY, K. J. Compensation and incentives: practice vs. theory. The Journal of Finance, v. 43, n. 3, p. 593-616, 1988.

BEBCHUK, L. A.; WEISBACH, M. S. The state of corporate governance research. Review of Financial Studies, v. 23, n. 3, p. 939-961, 2010.

BECHT, M.; BOLTON, P.; RÖELL, A. Corporate governance and control. 2002. Working Paper.

BECKER, G. V. Aplicação de programas de participação nos lucros ou resultados como estratégia de comprometimento na gestão de recursos humanos. 1998. 191 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

BERLE, A. A.; MEANS, G. C. The modern corporation and private property. New York: MacMillan, 1932.

BERNARDINO, F. F. M.; PEIXOTO, F. M.; FERREIRA, R. do N. Governança e eficiência em empresas do setor elétrico brasileiro. Pretexto, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 36-51, jan./mar. 2015.

BESANKO, D. et al. A economia da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BEUREN, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

BLOOM, M. C.; MILKOVICH, G. T. The relationship between risk, performance-based pay, and organizational performance. 1995. Working Paper.

BONNER, S. E.; SPRINKLE, G. B. The effects of monetary incentives on effort and task performance: theories, evidence, and a framework for research. Accounting, Organizations, and Society, v. 27, p. 303-345, 2002.

COPELAND, T.; KOLLER, T. & MURRIN, J. Valuation: measuring and managing the value of companies, 2nd ed. New York: John Wiley & Son, Inc. 1996.

CORREIA, L. F.; AMARAL, H. F. Reflexão sobre as funções da governança corporativa. Revista de Gestão USP, São Paulo, v. 13, p. 43-55, jan./mar. 2006.

DALMACIO, F. Z.; REZENDE, A. J.; SLOMSKI, V. Medidas de performance como determinantes de remuneração dos gestores: méritos do gestor ou características do setor? CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS, 2007, Lyon (França). Anais... p. 01-17.

DEVERS, C. E. et al. Executive compensation: a multidisciplinary review of recent developments. Journal of Management, v. 33, n. 6, p. 1016-1072, dec. 2007.

DROBETZ, W.; SCHILLHOFER, A.; ZIMMERMANN, H. Corporate governance and expected stock returns: evidence from Germany. 2003. Working Paper.

ELDENBURG, L. G.; WOLCOTT, S. K. Como medir, monitorar e motivar o desempenho. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

FAMA, E. F.; JENSEN, M. C. Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics, v. 26, n. 2, p. 301-325, jun. 1983.

FELTHAM, G. A.; XIE, J. Performance measure congruity and diversity in multi-task principal/agent relations. The Accounting Review, v. 69, n. 3, p. 429-453, jul. 1994.

FOCHESATTO, S. A. Os planos de incentivos e recompensas como fatores de motivação: estudos de caso nas duas maiores empresas do ramo metal-mecânico de Caxias do Sul. 2002. 136 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GHELLER, J. A. Efeitos no comportamento dos funcionários de uma empresa de joias com a implantação de um programa de participação nos lucros e resultados. 2001. 109 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GOYAL, V. K.; PARK, C. W. Board leadership structure and CEO turnover. Journal of Corporate Finance, v. 8, n. 1, p. 49-66, jan. 2002.

INDJEJIKIAN, R.; NANDA, D. Dynamic incentives and responsibility accounting. Journal

of Accounting and Economics, v. 27, p. 177-201, 1999.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W.H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, oct. 1976.

JENSEN, M. C. Agency costs of free cash flow, corporate finance, and takeovers. The American Economic Review, v. 76, n. 2, p. 323-329, may 1986.

JENSEN, M. C. Self-interest, altruism, incentives, & agency theory. Journal of Applied Corporate Finance, v. 7, n. 2, 1994.

LAMBERT, R. A. Contracting theory and accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 32, p. 3-87, jan. 2001.

LINS, J. Remuneração variável, alavanca para o crescimento. Revista CEO Brasil, Price Water House e Coopers, n. 8, 2006.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2012.

LOUZADA, L. C.; SILVA JUNIOR, A.; RODY, P. H. A. Relação entre distribuição de resultados e o desempenho de uma unidade empresarial: uma abordagem da teoria da agência. In: CONGRESSO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 4., 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ADCONT , 2013.

MAIA, P. A. A. O impacto dos programas de participação nos lucros ou resultados (PLRS) sobre o comprometimento e motivação dos trabalhadores no âmbito das cooperativas de eletrificação rural do Rio Grande do Sul: estudos de caso da Certaja, Certel e Creluz. 2003. 166 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

MARINAKIS, A. E. A participação dos trabalhadores nos lucros e resultados das empresas no Brasil: um instrumento para acelerar a reestruturação necessária. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 56-64, out./dez. 1997.

MARION, J. C.; DIAS, R.; TRALDI, M. C. Monografia para os cursos de administração, contabilidade e economia. São Paulo: Atlas, 2002.

MARQUEZAN, L. H. F. et al. Práticas de governança corporativa da bm&fbovespa e o uso da remuneração variável para executivos. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 8., 2014, Rio de Janeiro. Anais... São Paulo: ANPCONT, 2014.

MARTINS, E.; DINIZ, J. A.; MIRANDA, G. J. Análise avançada das demonstrações contábeis: uma abordagem crítica. São Paulo: Atlas, 2012.

MARTINS, G. de A. Manual para elaboração de monografias e dissertações. São Paulo: Atlas, 2007.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MARTINS, S. S.; VERIANO, C. E. A remuneração flexível como componente da gestão de salários. Revista de Administração de Empresas, Minas Gerais, v. 44, p. 22-33, abr./dez. 2004.

MENDES, A. C. A.; FLACH, L. Evidências sobre a influência da remuneração no comportamento dos funcionários em ambiente hospitalar: um estudo na região Sul do Brasil. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 9., 2015, Curitiba-PR. Anais... São Paulo: ANPCONT, 2015.

MONTGOMERY, C. A.; PORTER, M. E. (Org.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998.

OLIVEIRA, F. M. Dos S. Conflitos, gestão e poder: um estudo de caso em uma agência bancária. 2005. 95 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo.

OYADOMARI, J. C. T. et al. Influências da remuneração de executivos na congruência de metas. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, ano 6, v. 1, n. 12, p. 53-74, jan./jun. 2009.

PAULINO, M. L. S. Sistemas de controle administrativo no franchising: aliando controle e flexibilidade estratégica. Organizações em contexto, São Paulo, ano 6, n. 12, p. 28-55, jul./dez. 2010.

PIRES, R. G. A informação contábil e a teoria de agência: um estudo da assimetria informacional em companhias abertas, listadas no novo mercado da bovespa. 2008. 120 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Financeiras) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Financeiras, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

PIZUTTI, S. T. L. Os efeitos econômico-financeiros dos planos de participação dos empregados nas organizações. 2000. 102 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

PONTES, B. R. Administração de cargos e salários. São Paulo: Atlas, 2002.

ROSS, S. A. The economic agency theory: the principal’s problem. American Economic Review, v. 63, n. 2, p. 134-139, 1973.

SANTOS, J. L. dos; SCHMIDT, P. Contabilidade societária. São Paulo: Atlas, 2011.

TEIXEIRA, A. J. C.; TEIXEIRA, A. M. C.; PIZETA, K. C. Sistemas de incentivos gerenciais e o risco das empresas do estado do espírito santo. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 5, p. 23-44, set./dez. 2011.

TONANI, R.; SILVA, R. L. M. da. Relação entre a divulgação de pagamentos baseados em ações e os níveis de governança corporativa da BM&FBovespa. Enfoque: Reflexão Contábil, Paraná, v. 33, n. 3, p. 51-66, set./dez. 2014.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

WAGNER III, J. A.; HOLLENBECK, J. R. Comportamento organizacional: criando vantagem competitiva. São Paulo: Saraiva, 2000.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2018.v5ed16675

Apontamentos

  • Não há apontamentos.