RELAÇÕES ENTRE NÍVEL DE DIVULGAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS E IMOBILIZADOS E AS CARACTERÍSTICAS EMPRESARIAIS DAS COMPANHIAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO E TRANSPORTE

Rodrigo Vicente dos Prazeres, Juliana Gonçalves de Araújo, João Gabriel Nascimento de Araújo, Mayke Douglas Xavier de Lima, Umbelina Cravo Teixeira Lagioia

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi o de analisar quais características empresariais são possíveis determinantes do nível de divulgação de informações sobre ativos intangíveis e imobilizados, de acordo com o exigido pelos Pronunciamentos Técnicos 04 e 27, das empresas listadas no setor de construção e transporte da BM&FBovespa para o exercício de 2013. A coleta dos dados segregou-se em duas fases. Para a obtenção de dados para a primeira fase foram elaborados dois check-lists a partir das diretrizes dos Pronunciamentos Técnicos 04 e 27. A segunda fase consistiu na coleta dos dados referentes às características empresariais quais sejam: rentabilidade, tamanho, endividamento, auditoria e nível de governança corporativa. Como resultados, foi observado que a divulgação de informações sobre intangíveis e imobilizados é deficitária, e que em média as empresas do setor de construção e transporte atendem a 73,28% dos itens dispostos pelos pronunciamentos técnicos 04 e 27. Adicionalmente, observou-se que das características das empresariais, apenas a variável nível de governança corporativa se mostrou relacionada ao nível de divulgação de intangíveis e imobilizados, resultado este que corrobora a hipótese de que a governança corporativa representa uma proteção ao usuário externo no que tange ao retorno pelo capital investido.


Palavras-chave


Divulgação, Informação Contábil, Intangíveis, Imobilizados.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, J.G.; Lagioia, U.C.T.; Marinho, R. F.; Lemos, L.V.; Nascimento, S.G.O.A. (2012). Contabilização do arrendamento mercantil financeiro: um estudo nas empresas listadas no setor de construção e transportes. Revistas de Informação Contábil (RIC). Vol. 6, n. 3, p. 29-50, Jul-Set.

Araújo, J. G.; Prazeres, R.V.; Araújo, J. G. N.; Lagioia, U. C. T.; Lima, M. D. X. Um Estudo sobre a Governança Corporativa e o Nível de Atendimento aos Critérios de Evidenciação do Ajuste a Valor Presente em Empresas de Construção e Transporte. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, João Pessoa, v. 3, n. 2, p. 42-59, maio/ago. 2015.

Avelino, B. C.; Pinheiro, L. E. T.; Lamounier, W. M. (2012). Evidenciação de ativos intangíveis: estudo empírico em companhias abertas. Revista de Contabilidade e Organizações, Ribeirão Preto, vol. 6, n. 14, jan./abr. pp. 23-45.

Bushman, R. M.; Smith, A. J. (2001). Financial Accounting Information and Corporate Governance. Journal of Accounting and Economics, v. 32, p. 237–333.

Carlos Filho, F. A.; Lagioia, U.C.T.; Monteiro, J.A.M.; Silva Filho, L.L.; Araujo, J.G.; Araujo, J.G.N. (2014). Importância e Contribuição do Ativo Intangível: Percepção dos Empreendedores de Micro e Pequenas Empresas Sobre o Capital Intelectual. Organizações em contexto, São Bernardo do Campo, Vol. 10, n. 20, jul.-dez.

Coelho, A. C. D.; Lopes, A. B. (2007). Avaliação da Prática de Gerenciamento de Resultados na Apuração de Lucro por Companhias Abertas Brasileiras conforme seu Grau de Alavancagem Financeira. Revista de Administração Contemporânea, v. 11, 2ª. Edição Especial, p. 121-144.

Cfc. Conselho Federal De Contabilidade. NBC T 1: Das características da informação contábil. Resolução Conselho Federal de Contabilidade, n. 785, 1995. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2014.

Cpc. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 01. (2010). Redução ao Valor Recuperável de Ativos. Disponível em:. Acesso em: 10 dez. 2014.

Cpc. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2010). Pronunciamento Técnico CPC 04. Ativos intangíveis. Disponível em:. Acesso em: 10 dez. 2014.

Cpc. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2009). Pronunciamento Técnico CPC 27. Ativo imobilizado. Disponível em:. Acesso em: 10 dez. 2014.

Crisóstomo, V. L. (2009). Ativos Intangíveis: estudo comparativo dos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação adotados no Brasil e em outros países. Revista Contabilidade, Gestão e Governança. Brasília, v. 12, n. 1, p. 50-68, jan/abr.

Cruz, C. V. O. A.; Lima, G. A. S. F. (2010). Reputação corporativa e nível de disclosure das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 1, p. 85-101, jan./mar.

Eckert, A.; Mecca, M.S.; Biasio, R.; Souza, K.M. (2012). Normas contábeis de reconhecimento e mensuração do ativo imobilizado: impacto em empresas de bens industriais gaúchas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade & Controladoria.Curitiba, v. 4, n.2, p.69-89, maio/ago.

Freire, M. D. M.; Machado, M.R.R.; Machado, L.S.; Souza, E.S.; Oliveira, J. (2012). Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, vol. 6 n. 15. p. 3-22.

Frost, C.; Gordon, E.; Pownall, G. (2008). Financial reporting and disclosure quality, and emerging markets companies' acess to capital in global markets. Social Science Research Network. Disponível em: Acesso em 28 nov de 2014.

Hendriksen, E. S.; Van Breda, M. F. (2009). Teoria da Contabilidade. 5ª ed., São Paulo: Atlas.

Gordon, T.; Fischer, M.; Malone, D.; Tower, G. (2002). A comparative empirical examination of extent of disclosure by private and public colleges and universities in the United States. Journal of Accounting and Public Policy, v. 21, n. 3, p. 235-275, 2002.

Gujarati, D. N.; Porter, D. C. (2011). Econometria Básica. 5. ed. Porto Alegre: AMGH.

Healy, Paul M.; Palepu, Krishina G. (2001). Information asymmetry, corporate disclosure, and the capital markets: A review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting andEconomics, v. 31, p. 405–440.

Hoss, O.; Rojo, C. A.; Grapeggia, M. (2010). Gestão de Ativos Intangíveis: da mensuração à competitividade por cenários. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, Sérgio. (2009). Teoria da Contabilidade. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Lopes, L. C.; Alves, N.M.; Silva Filho, L.L.; Monteiro, J.A.M.; Lagioia, U.C.T.; Cordeiro, P.C. (2014). Evidenciação das informações dos ativos intangíveis: um estudo sobre o nível de aderência das companhias brasileiras do setor de bens industriais listadas na bolsa de valores do brasil ao cpc 04. Qualit@s Revista Eletrônica. Vol.15. n. 1.

Mapurunga, P. V.R; Morais, C. R. F.; Ponte, V. M. R.; Rebouças, S. M. D. P.; Carneiro, R. A. C. (2015). Disclosure de Informações acerca do Pagamento Baseado em Ações e sua Associação com os Atributos das Firmas. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 18, n. 1, p. 05-25• jan./abr.

Mapurunga, P. V. R.; Ponte, V. M. R.; Coelho, A. C. D.; Meneses, A. F. (2011). Determinantes do nível de disclosure de instrumentos financeiros derivativos em firmas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 22, n. 57, p. 263-278, set./ dez.

Mapurunga, P. V. R; Ponte, V. M. R.; Holanda, A. P. (2014). Fatores explicativos da aderência das firmas brasileiras aos disclosure relativo às informações por segmento. Enfoque: Reflexão Contábil. v. 33 n. 1. p. 53-69. janeiro/abril.

Moura, G. D.; Dallabona, L.F.; Fank, O.L.; Varela, P.S. (2011). Boas Práticas de Governança Corporativa e Evidenciação Obrigatória dos Ativos Intangíveis, 11, 2011. São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2011. Disponível em: . Acesso em: 9 mai. 2011.

Murcia, F. D.; Santos, A. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 72-95, mai./ago.

Ponte, V. M. R.; Oliveira, M. C.; Cavalcante, D. S.; Luca, M. M. M. (2012). Análise das Práticas de Divulgação do Ajuste a Valor Presente pelas Companhias Listadas na BM&FBovespa. Revista Universo Contábil, v. 8, n.1, p. 53-69, jan./mar.

Ribeiro Filho, J. F.; Lopes, J.; Pederneiras, M. (Org.). (2009). Estudando Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Santos; E. S.; Ponte, V.M. R.; Mapurunga, P. V. R. Adoção Obrigatória do IFRS no Brasil (2010): Índice de Conformidade das Empresas com a Divulgação Requerida e Alguns Fatores Explicativos. Revista de Contabilidade & Finanças – USP, São Paulo, v. 25, n. 65, p. 161-176, maio/jun./jul./ago. 2014

Silva Filho, L.L.; Lagioia, U.C.T.; Carlos Filho, F.A.; Araujo, J.G.; Lemos, L.V. (2014). Um estudo sobre o reflexo no reconhecimento dos ativos intangíveis após a adoção das normas internacionais de contabilidade nas empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Revista ConTexo, Porto Alegre, v.14, n.27, p.55-69, maio/ago.

Stevenson, W. J. Estatística Aplicada à Administração. (1981). São Paulo: Harper e Row do Brasil.

Souza. M. M.; Borba, J. A.; Wuerges, A. F. E.; Lunkes, R. J. (2015). Perda no valor recuperável de ativos: fatores explicativos do nível de evidenciação das empresas de capital aberto brasileiras. Revista Universo Contábil, Blumenau, v. 11, n. 2, p. 06-24, abr./jun.

Szuster, N.; Fernandes, F.S. (2009). Comparação entre Redução ao Valor Recuperável de Ativos e Reavaliação de Ativos. Pensar Contábil, Rio de Janeiro, v. 11, n. 45, p. 5 - 13, jul./set.

Teixeira, S.C. (2010). A relação entre a adoção de práticas recomendadas de governance corporative e o nível de evidenciação. 2010. 113f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on Disclosure. Journal of Accounting and Economics, n.32, p. 97-180.

Verriest, A., Gaereminck, A., & Thornton, D. B. (2012). Corporate governance and properties of IFRS adoption. Working Paper.

Viviani, S.; Beck, F.; Hall, R.J; Klann, R.C. (2014).Evidenciação do ativo imobilizado nas empresas do setor de bens industriais da BM&FBovespa. Enfoque Reflexão Contábil - Paraná v. 33 n. 3 p. 21-34 setembro / dezembro.

Yamamoto, M. M.; Salotti, B. M. (2006). Informação contábil: estudos sobre a sua divulgação no mercado de capitais. São Paulo: Atlas.

Wooldridge, J. M. (2006). Introdução à econometria – uma abordagem moderna. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Wooldridge, J. M. (2011). Introdução à econometria – uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2016.v3ed24594

Apontamentos

Comentários sobre o artigo